Biblioteca da Escola E B 2,3 de Gualtar
Domingo, 29 de Novembro de 2015
O Elefante Acorrentado

Eis um belíssimo conto para incentivar as pessoas a tentarem de novo, a não ficarem presas à sua noção de incapacidade que muitas vezes não é senão falta de confiança e de autoestima.

images.jpg

 Em pequeno, adorava o circo e aquilo de que mais gostava eram os animais. Cativava-me especialmente o elefante que, como vim a saber mais tarde, era também o animal preferido dos outros miúdos. Durante o espetáculo, a enorme criatura dava mostras de ter um peso, tamanho e força descomunais… Mas, depois da sua atuação e pouco antes de voltar para os bastidores, o elefante ficava sempre atado a uma pequena estaca cravada no solo, com uma corrente a agrilhoar-lhe uma das suas patas.

No entanto, a estaca não passava de um minúsculo pedaço de madeira enterrado uns centímetros no solo. E, embora a corrente fosse grossa e pesada, parecia-me óbvio que um animal capaz de arrancar uma árvore pela raiz, com toda a sua força, facilmente se conseguiria libertar da estaca e fugir.
Que mistério, o que é que o prende, então?
Porque é que não foge?
Quando eu tinha cinco ou seis anos, decidi questionar um professor, um padre e um tio sobre o mistério do elefante. Um deles explicou-me que o elefante não fugia porque era amestrado.
Fiz, então, a pergunta óbvia:
— Se é amestrado, porque é que o acorrentam?
Não me souberam responder. Fui crescendo e quando via o circo lembrava-me sempre do elefante e continuava a questionar-me, até que um dia me deram a resposta:
– O elefante do circo não foge porque esteve atado a uma estaca desde que era muito, muito pequeno.
Fechei os olhos e imaginei o indefeso elefante recém-nascido preso à estaca. Tenho a certeza de que naquela altura o elefantezinho puxou, esperneou e suou para se tentar libertar. E, apesar dos seus esforços, não conseguiu, porque aquela estaca era demasiado forte para ele.
Imaginei-o a adormecer, cansado, e a tentar novamente no dia seguinte, e no outro, e no outro… Até que, um dia, um dia terrível para a sua história, o animal aceitou a sua impotência e resignou-se com o seu destino.
Esse elefante enorme e poderoso, que vemos no circo, não foge porque, coitado, pensa que não é capaz de o fazer.
Tem gravada na memória a impotência que sentiu pouco depois de nascer.
E o pior é que nunca mais tornou a questionar seriamente essa recordação.
Jamais, jamais tentou pôr novamente à prova a sua força…
Pobre elefante continua apensar que não é capaz
– Não consigo e nunca hei de conseguir.
O que o elefante não sabe é que a única maneira de saber se é capaz é tentando novamente, de corpo e alma… e com toda a forca do seu coração!

Jorge Bucay «Deixa-me que te conte»,adaptado por C. Pinto

(ler mais contos em http://www.fabulasecontos.com/ )

 



publicado por BiblioGualtar às 14:47
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 20 de Novembro de 2015
Um segredo com 80 anos: como o número pi conecta a matemática e física quântica

images3.jpg

 

Investigadores da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, encontraram a fórmula matemática π (pi) escondida numa fórmula de física quântica do átomo de hidrogénio.

 Durante os anos escolares aprendemos que o π (pi) é um número irracional (aproximadamente 3,14) e que representa a razão constante entre o perímetro de qualquer circunferência e o seu diâmetro. Mas o El País conta agora que alguns especialistas da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, descobriram uma relação surpreendente entre o número π (pi) e a física quântica. (ler notícia completa)



publicado por BiblioGualtar às 16:11
link do post | comentar | favorito
|

Braga inaugura projeto pioneiro de arquitetura viva

images1.jpg

 

É um projeto inovador e, como ele, existem poucos — quase nenhuns — no mundo. Chama-se Urban Algae Folly e é um projeto de arquitetura viva pioneiro em juntar uma cultura de microalgas e o controlo digital dessa cultura, em tempo real. (Ler mai)



publicado por BiblioGualtar às 15:47
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 14 de Novembro de 2015
As tristes histórias reais que inspiraram grandes contos infantis

peter-pan.jpg

 As histórias foram escritas para as crianças, mas quem as escreveu tinha alguns fantasmas de infância. Em todos estes contos infantis, explicados pelo La Voz del Muro, os autores misturaram a imaginação com as experiências que eles próprios vivenciaram. Leia estas histórias de uma outra perspetiva.(ler artigo)

maurice.jpg

 



publicado por BiblioGualtar às 09:16
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 4 de Novembro de 2015
A TERRA TREME...

A Terra Treme é um exercicio que pretende alertar e sensibilizar a população para agir antes, durante e depois da ocorrência de um sismo.

Este filme é um bom contributo para a compreensão do assunto e para as formas de atuação perante a catástrofe.

 



publicado por BiblioGualtar às 14:57
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 1 de Novembro de 2015
“Somos todos deficientes”. Histórias de meninos especiais para todos

meninos-especiais-1_770x433_acf_cropped.jpg

“Todos somos deficientes”. A frase é de Rita Ferro, que diz não querer chocar ninguém, até porque há uma explicação para tal afirmação. “O meu pai era deficiente em matemática, eu sou deficiente a preencher um impresso de finanças, há pessoas que não conseguem jamais aprender uma língua estrangeira ou mudar um pneu, ou, noutro plano, amar ou perdoar. Todos somos meninos especiais.”

A vida de Rita Ferro é escrever e foi ela a responsável por pôr em palavras a história de Miguel, um menino com síndrome de Morsier. O resultado faz parte da 3ª coleção “Meninos Especiais”, um projeto da associação Pais-em-Rede, que promove a inclusão social das pessoas com deficiência e das respetivas famílias. (ler artigo)



publicado por BiblioGualtar às 17:51
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

O PRESENTE- é obrigatório...

OS 10 PRINCÍPIOS DA DIETA...

Este es el Prólogo - Fede...

Dia Mundial da Alimentaç...

Outubro é cor-de-rosa

Há uma geração que não de...

Os Portugueses na 1ª Guer...

Álvaro de Campos - CARNAV...

Novo livro de “Uma Aventu...

As palavras mais pesquisa...

arquivos

Outubro 2017

Abril 2017

Fevereiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

links
subscrever feeds